Reflexões Madrugada Afora

“Já me pediram para prostituir a minha alma…
Já me disseram que eu vou para o lado errado…
Já me pediram para nunca perder a calma…
Já me disseram que eu vivo em pecado!”

Callis Morius

Muitas reviravoltas ultimamente. O retorno a Belo Horizonte e as tentações do absurdo. Às vezes sinto que tudo vai mudar e as coisas serão, finalmente, diferentes. Às vezes sinto que os bons ventos virão e a tormenta será apenas mais uma marca na minha história e apenas mais um desafio superado.

Desde que perdi meu primo eu comecei a encarar a vida sob novos ângulos, sob novos prismas, novas perspectivas. Na verdade não éramos muito ligados, mas, apenas uma semana antes do acidente que encerrou nossos planos, eu e ele, Wilber, estávamos combinando como seriam as coisas daquele dia em diante. Moraríamos em Belo Horizonte no mesmo buraco e as coisas seriam legais. Pela nossa conversa naquele dia eu tive a certeza que “bons ventos” viriam. Mas… não foi bem assim.

Eu desacreditei um pouco de meus planejamentos. Eu desacreditei um pouco das coisas que antes eram pilares de minha maneira de encarar a vida. Mais experiência, mais avanços, mais cautela, mais um pouco de coragem para ser. Talvez as coisas sejam assim mesmo: completamente fora do meu alcance.

Passei dias em lágrimas. Passei dias de trovão. Pensei com minhas loucuras. Pensei e pulsei com meu coração. Tenho uma tatuagem no antebraço. Um crucifixo Ankh com um dragão oriental entrelaçado: Honra, Sabedoria & Eternidade.

Mas já me perguntaram o que imagino que seja a Eternidade uma vez que sou ateu. A resposta beira um esquema lógico não muito difícil de compreender. Se se segue um caminho pautado pela Honra e pela Sabedoria, a Eternidade é mera consequência. E não estou falando de espiritualidade não. Falo de deixar rastros. Não passar pela vida apenas como mais uma engrenagem, mais uma peça de motor. Talvez seja um pensamento estranho, longe demais das mais aparentes fundações. Mas é no que eu acredito, é pelo que luto e é pelo que pretendo morrer. E levarei quantos puder.

Advertisements

One Response to “Reflexões Madrugada Afora”

  1. Morte vai ser sempre uma coisa que vai nos pertubar..
    Até aquelas pessoas que se dizem viver o hoje e sem preocupações com a morte se tornam abaladas por ela ao perderem uma pessoa querida..
    Depois que se tem uma perda importante.. isso começa a ser mais frequente no nosso dia-a-dia..
    Pelo menos no meu foi assim..
    A diferença é que tenho crenças que me pertubam mais por um lado e me confortam por outro.

    É a vida.
    Abraço

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: